Category Archives: Social

Colégios Municipais de Garapuá e Zimbo promovem seminário sobre sustentabilidade com a participação de professores da UFBA

IMG-20180919-WA0058
IMG-20180919-WA0065
IMG-20180919-WA0069
Atentos para as estatísticas globais que apontam para a escassez de recursos hídricos e perda da biodiversidade, sejam causadas pelas mudanças climáticas ou pela interferência da ação humana, os professores da rede municipal de Cairu, Ari Nunes e Ítalo Rosário, lotados nos Colégios José Gomes e Modelo do Zimbo, respectivamente, promoveram o Seminário Interdisciplinar de Sustentabilidade – Garapuá, Zimbo/ Morro de São Paulo. A iniciativa contou com o apoio da Secretaria da Educação e com total colaboração das direções e coordenações dos colégios.

Durante os dias 17 e 18 de setembro, os estudantes de ambas unidades escolares assimilaram novos conhecimentos teóricos e práticos transmitidos em rodas de conversas sobre “Plantas Alimentícias Não Convencionais – PANCs” com a participação do Prof. Dr. José Geraldo de Aquino Assis
Docente da UFBA/UEFS, de Ian Requião de Castro Doutorando em Administração – UFBA, de Juliana Fonseca de Melo, Mestranda em Ciências Sociais e integrante da Rede PANCs – UFBA. “O Uso Consciente dos Recursos Hídricos, Restauração e Conservação da Biodiversidade” também foi tema de um café científico abordado pelo professor Ítalo Rosário que é Mestrando em Ecologia e Gestão Ambiental- UFBA.

A secretária da Educação, Luana Figueiredo, elogiou a iniciativa e destacou a importância da interação dos estudantes com profissionais tão gabaritados na abordagem de temas de grande pertinência para a comunidade cairuense.

Prefeitura de Cairu entrega escola de Canavieiras completamente reformada e requalificada

FB_IMG_1537379933281
FB_IMG_1537379770735FB_IMG_1537379924872

Após ter passado por uma reforma completa e ser totalmente requalificada, foi reinaugurada na noite da última sexta-feira (14/09) a Escola Municipal Professora Esperidiana Moura, na localidade de Canavieiras. Agora, a unidade escolar conta com rampas de acessibilidade, espaço de convivência dotado com televisão, sala de informática, horta para produção de hortaliças que complementarão a merenda escolar, além de um novo e moderno mobiliário.

A cerimônia de reinauguração foi marcada pelas apresentações dos estudantes e também pelas palavras de agradecimento de toda equipe escolar e da comunidade pelo cuidado e esmero com que a obra foi realizada.

Durante o evento, o prefeito Fernando Brito registrou a satisfação em entregar mais uma escola. “Essa reinauguração representa mais uma promessa cumprida com o povo cairuense, muitas outras virão em breve, pois não importa o tamanho da localidade, nós olhamos todas com a mesma atenção. Essa é uma das minhas maiores satisfações: fazer uma gestão voltada para população humildade da nossa terra”, destacou Brito

Na oportunidade, o prefeito também anunciou para breve o início das obras da orla de Canavieiras, através de projeto do Ministério do Turismo, além da instalação de um posto de saúde na localidade. Os anúncios foram comemorados pela população e também pelo vereador Balbino dos Santos, representante da comunidade que já havia realizado os pleitos na Câmara.

Participaram da cerimônia a primeira-dama Adriana Brito, o vice-prefeito Maneca Ché, os secretários Benedito Passos(Infraestrutura), Luana Figueiredo (Educação), Graça Peleteiro (Cultura), Ally Ché (Pesca e Agricultura), Valdinei da Cruz (Administração), o chefe de gabinete Marcos Adeodato, o presidente da Câmara Abdon Ché e os vereadores Tião, Ivan de Gerino e Keninho Ché.

Programa Municipal de Desenvolvimento do Artesanato Cairuense começa a dar frutos

IMG-20180918-WA0043

O Programa Municipal de Desenvolvimento do Artesanato Cairuense implantado pela Prefeitura de Cairu, por meio da Secretaria da Cultura, no primeiro semestre deste ano já começa a dar frutos. Com o apoio da iniciativa, oito artesões cairuenses foram selecionados para participar do Sebratec, programa do Sebrae que promove o acesso de pequenos negócios a soluções em áreas de conhecimento da inovação.

O parâmetro para seleção dos artesões foi a técnica utilizada. Dentre os selecionados, seis são de Morro de São Paulo e dois da Gamboa. Além de Cairu, a região do BaixoSul também terá mais oito artesões inseridos na capacitação que terá duração de dois anos. Os artesões cairuenses comprometeram-se em aplicar o conteúdo aprendido na consultoria.

“O Sebrae em parceria com a Secretaria de Cultura, incentiva e apoia iniciativas que agreguem valor as atividades ligadas à cultura, economia criativa, artesanato e demais produções locais. Através da realização da consultoria em inovação – design de artesanato, visamos apoiar e orientar os artesãos, no desenvolvimento de novos produtos, bem como, de nova coleções. Através da introdução de design nos produtos, sem a perda de aspectos iconográficos e consequentemente valorizando a cultura da região”, ressaltou a gestora do Projeto de Turismo na Costa do Dendê pelo Sebrae, Maria Guadalupe.

De acordo com a Secretaria de Cultura, Graça Peleteiro, a conquista é para o artesanato cairuense que conseguirá com a ação ter mais visibilidade e consequentemente mais demanda, o que significa maior lucratividade para estes artistas que moldam com as mãos a cultura cairuense.

Na última quinta-feira (13), no Auditório da Fortaleza do Morro de São Paulo, os selecionados participaram da primeira apresentação do Sebratec. Na oportunidade, o design Rodrigo Lyra falou sobre a representação de símbolos culturais, históricos e artísticos que podem estar refletidos na produção artesanal. A partir de agora, começará uma sequência de visitas nos ateliês e análise de material de produção.

É oficial: 2017 foi um ano (muito) difícil para a Humanidade

O mundo é cada vez mais um lugar triste. Uma pesquisa global sobre as emoções humanas concluiu que 2017 foi o ano mais sombrio e miserável em mais de uma década.

fede3c609e9dd5a77cd39f243fa00ae7-783x450

Segundo o Science Alert, embora as experiências positivas tenham se mantido estáveis, o mundo atual está mais estressado, preocupado e triste do que em qualquer outra época desde 2005, ano em que começou o Gallup Global Emotions Report.

“Esta é a primeira vez que vemos um aumento significativo de emoções negativas”, afirma Julie Ray, principal autora e editora do relatório de 2018, ao New York Times. “É o valor mais alto que já registramos”, acrescenta.

Com a propagação do terrorismo, da guerra, da crise dos refugiados, bem como as mudanças climáticas, em 2017, o mundo continuou a parecer menos estável e cada vez mais perigoso. Mesmo em sociedades aparentemente pacíficas, o medo político e a polarização deixaram os cidadãos se sentindo isolados e oprimidos.

A pesquisa contou com a participação de mais de 154 mil pessoas em todo o mundo, tendo verificado que quase quatro em cada dez pessoas sentiram preocupação ou estresse no dia anterior à entrevista – um aumento de 2% frente ao ano anterior.

Tristeza e dor física são as sensações negativas que se seguem, com um aumento de 1%: pouco mais de três em dez disseram ter experimentado dor física no dia anterior e um em cada cinco disseram ter sentido tristeza. A raiva foi a única emoção negativa que se manteve estável quando comparado com os resultados do ano anterior (20%).

Assim como seria esperado, existem regiões no mundo que sentem mais emoções negativas do que outras. Até 2017 – e durante quatro anos consecutivos – o Iraque teve a maior pontuação no Índice de Experiência Negativa.

No ano passado, porém, a República Centro-Africana ocupou esse lugar, obtendo a maior pontuação que a Gallup já registrou em qualquer país na última década. Mesmo assim, devido aos intensos conflitos no país, a organização não conseguiu respostas de cerca de 40% da população.

Das respostas recolhidas, três em cada quatro pessoas disseram ter experimentado dor física e muita preocupação no dia anterior a serem questionadas – a mais alta registrada nos dois casos.

Na América Latina, os resultados já foram mais animadores. Ano após ano, a região continua a liderar o mundo relativamente às experiências positivas, com os autores do estudo alegando que isso pode ser explicado (em parte) pela tendência latino-americana de se focar nos pontos positivos da vida.

Mas, embora os fatores culturais tenham alguma relevância, a verdade é que quase todos os países com as piores pontuações passam por algum tipo de conflito interno ou externo contínuo.

“Nossa pesquisa ao longo dos anos nos ensinou que o rastreamento de como as pessoas vivem suas vidas é, sem dúvida, mais importante do que a pontuação geral em um único ano”, escreve Mohamed S. Younis, editor-chefe da Gallup, no novo relatório.

“Embora os desenvolvimentos a nível nacional e global tendam a dominar as manchetes, captar as tendências de esperança – ou desespero – a nível individual fornece a inteligência mais valiosa”.

Idosos com mais de 70 anos representam a maior taxa de suicídio no Brasil

Problemas de saúde, isolamento social causados pela viuvez, separações, distanciamento de filhos e netos, perda de produtividade, além de depressão e doenças crônicas.

b19bed458fbb70c27adc414f77b898bd-783x450

Essas são alguns dos fatores que contribuem para que os idosos com mais de 70 anos apresentem as maiores taxa de suicídio no país, segundo dados do boletim epidemiológico divulgado pelo Ministério da Saúde.

O coordenador do ambulatório do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas, Rodrigo Leite, ressalta que a população está envelhecendo, o que pode gerar outros problemas.

“A gente está vivendo mais e com uma qualidade de vida pior e com doenças crônicas que geram incapacidade, geram sobrecarga familiar, geram empobrecimento por conta da perda de renda por conta da aposentadoria ou da incapacidade de trabalhar da questão da crise econômica que leva ao aumento dos planos de saúde. Se você soma todos esses fatores, é um prato cheio para o risco de suicídio”, diz.

O médico alerta também para o número de casos de alcoolismo entre os idosos.

Em muitas situações a fisioterapia, associada a outros tratamentos, pode também ser uma aliada para a saúde mental nessa fase da vida, como explica a fisioterapeuta Luisa Veríssimo.

“Os idosos, com frequência, perdem a capacidade de realizar suas atividades de vida diária e através dos exercícios a gente consegue melhorar essa função ou devolver essa função ou senão melhorar. Eu acho que o tratamento fica no meio termo de saber ouvir e ao mesmo tempo identificar esses sinais que mostram que ele precisa de uma melhor qualidade de vida, de uma melhor execução do movimento, e casar essas duas frentes num tratamento global”, explica.

Severina Moraes, aposentada do serviço público, está a caminho dos 70 anos e faz parte de um grupo de corrida. Ela já passou por um episódio de grande estresse. Para ela, a atividade física ajudou. Por isso, aconselha:

“O primeiro passo é sair do sofá. A vida é assim, tem problemas e tem soluções também. Se você se identifica com artesanato, vá fazer artesanato. Música, tem aulas de música. Exercício físico, yoga”.

No ano passado, o Ministério da Saúde lançou uma agenda estratégica para atingir meta da Organização Mundial da Saúde de redução de 10% das mortes por suicídio até 2020.

Segundo a diretora do Departamento de Ações Programáticas Estratégicas da pasta, Thereza de Lamare, o Brasil está abaixo da média de registro de suicídios em relação a outros países. Ela ressalta a importância dos dados do Boletim Epidemiológico de Tentativas e Óbitos por Suicídio no Brasil.

“Nos ajudam a orientar onde a gente deve atuar, onde a gente deve atuar como a gente deve atuar, de que forma a gente deve atuar. É uma ação muito importante que nós temos junto a outras áreas do Ministério da Saúde”, aponta.

Thereza de Lamare fala das ações do Ministério da Saúde.

“Nós iniciamos um trabalho desde o ano passado, desenvolvendo uma série de ações junto as nossas unidades de saúde, como também identificando regiões, estados, onde a gente encontrou uma maior concentração. Nós instituímos o Comitê Nacional de Prevenção ao Suicídio. Fizemos uma pareceria com o CVV [Centro de Valorização da Vida]”, indica.

Quando necessário é importante procurar ajuda com profissionais, nos serviços de saúde, em emergências como o Samu e no CVV, no 188, disponível em todo o país. Lembre-se que a maioria dos casos de suicídio podem ser evitados.

Secretaria de Saúde de Cairu adere a campanha Setembro Amarelo

IMG-20180913-WA0121IMG-20180917-WA0070IMG-20180918-WA0005
A Secretaria de Saúde de Cairu está promovendo em todas as localidades do município atividades em alusão ao Setembro Amarelo, campanha que tem como objetivo a conscientização sobre a prevenção do suicídio, bem como informar a população sobre as formas de prevenção e sobre a realidade do suicídio no Brasil e no mundo.

As atividades envolvem as equipes da Atenção Básica e também do NASF – Núcleo de Assistência à Saúde da Família. Além de de palestras e dinâmicas, materiais informativos estão sendo distribuídos nas comunidades. A ação já passou por Galeão, Torrinhas, Zimbo, Sede e Morro de São Paulo. Até o fim do mês de setembro todas as demais localidades do arquipélago serão percorridas.

A secretária de Saúde, Italuana Guimarães, reforça a importância de abordar o tema. ” Hoje o suicídio é considerado um problema de saúde mundial, precisamos falar sobre isto para desmitificar assuntos, a exemplo da depressão, passando informações e ofertando apoio para as pessoas e também para os familiares que vivenciam uma situação desta”, pontuou a secretária.

ASCOM/CAIRU

CAIRU RECEBERÁ SAC MÓVEL

41647103_1965726506783170_8232370885206474752_o
O SAC Móvel estará em Cairu nos dias 25 e 26 de setembro, a carreta do SAC ficará localizada na Praça Marechal Deodoro, entre o Convento de Santo Antônio e o antigo prédio da Prefeitura. O SAC Móvel foi criado com o objetivo de estender aos centros populacionais mais distantes do interior da Bahia a mesma qualidade de atendimento oferecida pelas unidades fixas, atuando também em feiras, eventos regionais e comunidades indígenas.

O SAC Móvel oferece os serviços de emissão de Carteira de Identidade, Cadastro de Pessoa Física, Antecedentes Criminais; orientações sobre benefícios e recadastramento de aposentados e pensionistas do Estado; e atendimento da Ouvidoria Geral do Estado para registro de críticas, denúncias, elogios, orientações, reclamações, solicitações e sugestões relativas aos serviços públicos.

Atualmente, a Rede SAC conta com 69 unidades de atendimentos, sendo 12 Postos fixos na capital, 4 na Região Metropolitana e 21 no interior do Estado, além das 29 unidades do modelo Ponto SAC e 3 unidades do SAC Móvel.

Quase 160 municípios não atingiram meta de vacinação contra pólio e sarampo

vacinacao_contra_790x505_23032018170901

A três dias do término da campanha nacional de vacinação, quase 160 municípios da Bahia não atingiram a meta de vacinar 95% das crianças de um a menores de cinco anos contra o sarampo e a poliomielite, de acordo com o Ministério da Saúde. Confira a lista de cidades no site da pasta.

Dados preliminares do Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunização (SI-PNI), alimentado pelos estados, apontam que a Bahia vacinou 90,36% do público-alvo contra a pólio e 89,78% contra o sarampo. Salvador registra coberturas abaixo de 75% das crianças vacinadas, conforme a pasta. A capital baiana vacinou 74,7% da cobertura de poliomelite e 78,3% de sarampo. Em todo o estado, foram aplicadas mais de 1,5 milhão de doses das duas vacinas.

Todas as crianças de um a menores de cinco anos devem se vacinar independente da situação vacinal. A média nacional de vacinação está em 94%. Foram aplicadas em todo país cerca de 20,8 milhões de doses das vacinas (10,4 milhões de cada vacina). Onze estados e mais de 4 mil (72%) municípios atingiram a meta.

Município gaúcho pede para receber imigrantes venezuelanos

A rejeição aos venezuelanos que chegam ao Brasil passa bem longe da pequena cidade de Chapada, na região norte do Rio Grande Sul. A prefeitura pediu para receber os imigrantes.

1c2a56fe5565117328923543da4eb3b9-783x450

Até o dia 25, está prevista a chegada de 50 venezuelanos, transportados pela Força Aérea Brasileira (FAB) e pelo Exército. A Casa Civil confirma a informação, mas a data pode ser alterada de acordo com a agenda da FAB. As informações são do G1.

O município de 10 mil habitantes será o terceiro do Rio Grande do Sul a receber os imigrantes, depois de Esteio e Canoas, que se preparam para a chegada nos próximos dias: 221 em Esteio, e 425 em Canoas. Porém, Chapada foi o primeiro município que tomou a iniciativa de receber os venezuelanos.

“Decidimos isso com a Secretaria de Assistência Social, Educação e as outras pastas. Chegamos à conclusão de que devemos fazer parte da ação”, afirma Carlos Catto, prefeito de Chapada.

“Grande parte da nossa sociedade é descendente da imigração italiana, portuguesa e alemã. São pessoas que saíram da Europa em uma situação não muito legal, e todos se deram muito bem aqui”, acrescenta, ressaltando que o acolhimento é uma questão humanitária.

O município comunicou ao Ministério do Desenvolvimento Social que inclusive as crianças são bem-vindas. A preferência é para as crianças maiores de 5 anos, mas todas serão aceitas. A prefeitura reservou um prédio que abrigava uma escola rural para acomodar temporariamente os novos moradores de Chapada.

No local, passa um ônibus fretado pela prefeitura que leva os trabalhadores da zona rural até a cidade. Os venezuelanos poderão aproveitar o transporte para ir e voltar do trabalho. Catto garante que existem vagas na construção civil, nas propriedades agrícolas e nas indústrias de sapato e laticínios.

Os imigrantes que tenham experiência ou perfil para o ensino ainda poderão ser chamados para dar oficinas de espanhol nas escolas da cidade. O prefeito disse também que há vagas para as crianças venezuelanas nas escolas, tanto no ensino fundamental quanto no básico.

A receptividade de Chapada aos venezuelanos contrasta com o clima de intolerância em Roraima, ponto de aglomeração dos imigrantes. O prefeito Carlos Catto deseja que os venezuelanos criem raízes no município, que não seja uma aventura ou uma passagem temporária. “Estamos apostando nossas fichas que vai dar certo”, acredita o prefeito.

Escola na Espanha ensina a ser pastor

cc6cc1ba52b195ba1e99391ffd4ece9d-783x450
As gerações mais novas ouvem repetidamente dizer que a agricultura e a pecuária não são profissões do futuro, mas a Escola de Pastores da Catalunha nasceu há dez anos para contrariar essa afirmação.

A Escola de Pastores da Catalunha nasceu há dez anos e é direcionada a um público jovem, entre 12 e 35 anos, e recebe anualmente dezenas de candidaturas.

Em entrevista ao P3, o fotógrafo Joan Alvado informa que os aspirantes a pastores chegam de toda a Catalunha, “mas também de todo o território espanhol”. “A maioria, no entanto, tem cerca de 30 anos e frequenta a escola por sentir vocação para a pastorícia”.

Entre 2010 e 2014, o fotógrafo acompanhou o percurso dos estudantes da escola, período que resultou no fotolivro Escola de Pastors, que foi publicado recentemente. “Comecei a fotografá-los quando frequentavam o estágio curricular, mas nos últimos anos comecei a acompanhar alguns dos pastores que conseguiam estabelecer seu próprio projeto.”

O trabalho fotográfico de Alvado tem um propósito: passar a mensagem da regeneração e rejuvenescimento do setor agrícola na Espanha.

“A profissão de pastor é sempre entendida como nostálgica, à beira da extinção. Um pastor não é visto como alguém que tenha um emprego, muito menos um emprego com futuro ou atrativo para os jovens. Por isso, na primeira vez em que ouvi falar da escola, fiquei surpreendido por perceber que existe interesse de tantos jovens no setor. Foi algo inesperado”, contou o fotógrafo.

No início do projeto, ele temeu que o tema fosse entendido como de interesse local, mas rapidamente percebeu que a história que conta em fotografias tem uma dimensão universal. “A maior parte das pessoas vive nas cidades, mas mantém um vínculo familiar com o mundo rural que não ultrapassa as duas gerações. Esta é uma história que tem a capacidade de nos tocar emocionalmente por esse motivo e eu acho isso muito bonito.”

Joan Alvado não frequenta a escola, mas nunca esqueceu esse laço pessoal, motivo pelo qual dedicou seu fotolivro ao avô, que é pastor.