Coleta e troca do óleo de cozinha

Bom para você melhor para o meio ambiente. More »

Violência Contra Mulher

O orgulho não foi feito para o homem, nem a ira violenta para os nascidos de mulher. (Eclesiástico 10,18) More »

Mais Cultura no Bairro da Bolivia

Aulas pensadas para trabalhar a Saúde. Desde a adolescência até a terceira idade. More »

Blitz Educativa

“Proteja-se! Use o cinto de segurança” More »

ESCOLA COMUNIDADE QUILOMBOLA

Comunidade Quilombola com melhor educação. More »

 

Jovem adotada por italianos há 25 anos busca mãe biológica na Bahia

por Jamile Amine

Jovem adotada por italianos há 25 anos busca mãe biológica na Bahia

Foto: Reprodução / Facebook
Aiala Jessica Stramaglia nasceu em Feira de Santana no dia 5 de agosto de 1989, mas, aos quatro meses de idade, foi adotada pelo casal de italianos Vincenzo Stramaglia e Giuseppina Maramo. Hoje, aos 25 anos, ela é formada em biomedicina e vive na província de Avellino, perto de Nápoli, no sul da Itália, com o pai adotivo, já que a Giuseppina morreu há 13 anos. A jovem tem buscado a mãe biológica, Maria Sônia de Oliveira Santos, há cerca de cinco anos e, segundo informações conseguidas por Aiala, a mulher, que hoje teria 42 anos, pode viver em Vitória da Conquista. Já se sabe também os nomes de seus avós maternos: Otaviano de Oliveira Santos e Laurita Rosa dos Santos. “Minha mãe (biológica) vivia na casa de um casal, em Feira de Santana, quando eu nasci. Eles me disseram que, depois que eu parti para a Itália, ela foi para Vitória da Conquista, mas não sei se ela continua ali”, contou Aiala em entrevista ao Bahia Notícias. Maria Sonia tinha 18 anos quando deu a luz ao bebê. Abandonada pelo pai da criança e sem condições de criá-la, a empregada doméstica aceitou a sugestão dos patrões, que tinham amigos italianos interessados na adoção. 

Aiala ainda no Brasil com o pai adotivo Vincenzo Stramaglia / Foto: Arquivo Pessoal
Aiala sempre soube das suas origens, mas o desejo e a ansiedade para encontrar a mãe biológica aumenta a cada dia, ainda mais após a perda da mãe adotiva. “Quanto mais passa o tempo, mais diminuem a probabilidade de encontrá-la. Os meus pais são fantásticos, eu os amo imensamente. Mas eu sou brasileira. Alguém fez a escolha certa e me deu uma vida melhor, uma vida feliz. Também tive o azar com a morte da minha mãe, quando eu era pequena. Mas eu sou formada, noiva há oito anos, amada por todos os parentes e isso é mérito da minha mãe biológica. Ela não ficou comigo porque estava sozinha e era pobre, não porque não me queria. O meu pai eu nem sei se sabe que eu nasci, ele a abandonou. A escolha da minha mãe eu vejo como um ato de amor. Eu a procuro para dizer obrigada. Acho que ela pensa em mim, mas não tem como me encontrar ou, quem sabe, não quer perturbar a minha vida”, explica a jovem, que é filha única e tem esperança também de encontrar eventuais irmãos.

Giuseppina Maramo, mãe adotiva, com Aiala ainda no Brasil, antes da ida para a Itália, em 1989 / Foto: Arquivo Pessoal
Ela não fala português, mas tem buscado com determinação maneiras para encontrar sua mãe. Aiala tem estabelecido contato com muitos brasileiros nas redes sociais e usa o tradutor do Google para se comunicar. No entanto, a barreira linguística é um problema para ela. Além disso, caso encontre o paradeiro da mãe e ela deseje conhecer a filha, existe um outro obstáculo entre as duas. “Estou buscando uma maneira para ir ao Brasil. A Itália vive uma profunda crise econômica e o desemprego entre os jovens é de 40%. A empresa do meu pai não vai muito bem e eu não encontro trabalho”, conta a biomédica.

Maria Sônia de Oliveira Santos, mãe biológica de Aiala, aos 18 anos / Foto: Arquivo Pessoal

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>