Coleta e troca do óleo de cozinha

Bom para você melhor para o meio ambiente. More »

Violência Contra Mulher

O orgulho não foi feito para o homem, nem a ira violenta para os nascidos de mulher. (Eclesiástico 10,18) More »

Mais Cultura no Bairro da Bolivia

Aulas pensadas para trabalhar a Saúde. Desde a adolescência até a terceira idade. More »

Blitz Educativa

“Proteja-se! Use o cinto de segurança” More »

ESCOLA COMUNIDADE QUILOMBOLA

Comunidade Quilombola com melhor educação. More »

 

Wagner admite ser ‘um dos três, quatro, cinco nomes do PT’ para Presidência em 2018

Cotado para assumir um Ministério, caso a presidente Dilma Rousseff seja reeleita, o governador Jaques Wagner nega haver qualquer “amarração” com a mandatária para que volte à Esplanada após deixar o comando do Estado. Ex-titular do Trabalho e das Relações Institucionais no governo Lula, aos 62 anos, o petista reconhece, no entanto, o desejo de retornar a Brasília. “Se ela me chamar, será um orgulho, mas não tem nenhuma promessa, nenhum compromisso de eu virar ministro”, pontuou, em entrevista ao Bahia Notícias, ao negar ainda que exercerá o papel de coordenador da campanha de Dilma no Nordeste. O chefe do Executivo baiano, que também decidiu não postular nenhum cargo em 2014, considera “uma bobagem” planejar a próxima sucessão presidencial, mas admite: “é claro que o meu nome é um dos três, quatro, cinco citados dentro do PT, se for o PT que irá capitanear a chapa em 2018″. Sobre o impacto da eleição na sua própria administração, o governador revela que precisará trocar cerca de 15 nomes da sua equipe até 15 de janeiro e comenta o debate sobre a escolha do vice do seu escolhido para substituí-lo: o atual secretário da Casa Civil, Rui Costa. Wagner nega que haja favoritismo do PP de Mário Negromonte ou do PDT de Marcelo Nilo e decreta: “Eu acho que nós estamos com dois terços da chapa resolvidos [...] e eu posso esperar até março para resolver a terceira vaga”. Sobre o 2013 harmonioso com ACM Neto (DEM), ele não teme que uma possível disputa plebiscitária entre governador e prefeito de Salvador no próximo ano abale a relação. “Eu acho que, encerrado o palanque eleitoral, vamos cuidar da vida porque o povo quer que a gente trabalhe, e não dá para ficar gastando tempo com briguinhas. O que for bom para Salvador é bom para mim e é bom para ele. [...]  Eu não posso dizer para ele que ele venha apoiar o meu [candidato], porque ele quer ser candidato a reeleição e eu não tenho condição de oferecer, pelo menos por enquanto, apoio a ele em 2016″, avisou.Wagner e Rui

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>